Sign In

Projeto beneficia trabalhadores rurais na BA

Sustentabilidade Publicado em 04/10/2022

Promover a integração de uma área de proteção ambiental do semiárido baiano para oito comunidades rurais localizadas no seu entorno. Com esse objetivo, o projeto "Conservação e Desenvolvimento para o Entorno de Áreas Protegidas da Caatinga: Comunidades da Zona de Amortecimento do Parque Estadual das Sete Passagens" está sendo implementado no município de Miguel Calmon, na Bahia.

 

Desenvolvido pelo Conselho Municipal de Apoio Comunitário (Comacor), com apoio financeiro da Chesf, o projeto foi selecionado por meio do Edital de Projetos Socioambientais das Empresas Eletrobras 2021, beneficiando 270 trabalhadores rurais e suas famílias.

 

As ações são realizadas nas comunidades de Cabaceiras, Murici, Bananeira, Sapucaia, Campo do Silva, Taquara, Cedro e no povoado quilombola do Covas, territórios localizados no entorno do Parque Estadual das Sete Passagens, uma reserva da biosfera da Caatinga que se destaca por seu potencial hídrico e elevada biodiversidade. De acordo com o coordenador do projeto, Maurício Sugai, apesar disso, as comunidades ainda sofrem com a escassez de água e problemas ambientais diversos, como desmatamento, queimadas e poluição hídrica.

 

Apresentação do projeto na comunidade quilombola do Covas.jpg


Dentre os objetivos estão definir, por meio de Diagnóstico Rural Participativo, um planejamento ambiental voltado à conservação e gestão dos recursos hídricos locais; implementar tecnologias sociais hídricas para melhoria do saneamento; aproveitar as águas pluviais; conservar os recursos hídricos; produzir alimentos e promover segurança alimentar, além da conscientização ecológica das comunidades.

 

Também está prevista a realização de workshops e visitas aos locais onde estão sendo executadas as ações, fazendo o intercâmbio entre as comunidades, com a finalidade de levar conhecimento técnico e apoio a outros pequenos produtores que se interessem em obter uma tecnologia social, bem como levar orientações sobre o papel da agroecologia e educação ambiental.

 

"Essas iniciativas trarão impactos positivos para o desenvolvimento sustentável, ao promover a mudança de postura da população local, por meio do reconhecimento das potencialidades do ecossistema e do fortalecimento do apoio comunitário à conservação ambiental. Além disso, melhorar as condições de vida dessas comunidades, com a oportunidade de geração de trabalho e renda", ressalta o coordenador.

 

"A Chesf investe em projetos socioambientais que demonstrem alto potencial de proteção ao meio ambiente, em articulação com a inclusão social de públicos em vulnerabilidade socioeconômica, geração de renda e educação ambiental. É uma forma de participar de maneira proativa na transformação da realidade social dessas populações", enfatiza Cecília Sotero, gerente da área de Responsabilidade Social Empresarial da Chesf.


Fotos: Acervo Comacor